domingo, 18 de maio de 2014

Prefeitura de Chapadinha apoia Caminhada do dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual contra crianças e adolescentes

SHARE
A concentração de alunos, professores e representantes do poder público, na Praça da Bandeira, teve um objetivo mais que importante: chamar a atenção da população para um problema sério que acontece todos os dias contra crianças e adolescentes do mundo inteiro: abuso sexual. O evento foi organizado pelo Conselho Municipal da Criança e Adolescente e contou com total apoio da prefeitura de Chapadinha. Nesta luta todos somos responsáveis.
“ O Governo Belezinha vem apoiando muito essa causa. E o resultado tem sido o crescimento da campanha. Estão de parabéns todos os envolvidos neste trabalho, pois os maiores beneficiados são nossas crianças e adolescentes”, disse o secretário de assistência social, Francisco Paiva, que foi representando a prefeita Ducilene Belezinha.

Esse tipo de violência deixa marcas e precisa ser combatido por todos. O dia nacional de enfrentamento ao abuso e exploração é celebrado no dia 18 de maio, mas a caminhada com cartazes, faixas e panfletagem aconteceu no dia 16 em todo o país. Aqui em Chapadinha a marcha passou pelo centro da cidade e terminou na Praça do Povo. O tema desse ano foi Esquecer é permitir, lembrar é combater.

“Essa marcha é um encerramento e ao mesmo tempo um começo. Vamos convocar todos os nossos parceiros para, pelo menos, uma vez por mês, realizarmos palestras junto aos pais para orientá-los como educar seus filhos para evitar o caminho das drogas e da prostituição”, disse o presidente do CMDCA, Men de Sá Meneses.

Durante uma semana, a prefeitura de Chapadinha, através das secretarias de educação, assistência social, de saúde, da mulher e em parceria com conselho municipal da criança e do adolescente, realizou palestras educativas e informativas nas escolas cidade. Denunciar é o primeiro passo no combate à esse tipo de crime. Procure o conselho tutelar mais próximo de sua casa ou uma delegacia. O estudante Diego dos Santos da Conceição de 14 anos, após assistir às palestras na escola Amélia Mendes Ferreira, entendeu a gravidade do crime e reforça a importância da denúncia.

“Podemos evitar esse crime fazendo denúncia. Procurando o Conselho Tutelar mais próximo de nossa escola. A polícia também pode ajudar. Meus colegas fiquem espertos! Evitem a violência sexual, porque esse crime é muito perigoso. Temos que evitar, temos que nos proteger!”, disse o estudante.

A violação sexual pode ocorrer de duas maneiras: através do abuso ou da exploração e consiste no envolvimento, à força, da criança ou adolescente em atividades sexuais impróprias à sua idade cronológica, ou ao seu desenvolvimento físico, psicológico e social. A vítima apresenta alguns possíveis sinais comportamentais, e é importante que o adulto observe esses detalhes:
- Distúrbios de sono e de apetite;
- Ansiedade;
- Agressividade;
- Baixa autoestima;
- Depressão;
- Isolamento social;
- Dificuldade de aprendizado e concentração;
- Comportamento sexual inapropriado para a idade;
- Medo de adultos ou medos constantes;
- Dor ou inchaço na área genital ou anal;
A estudante Samara Araújo Oliveira de 14 anos, da escola Agostinho Ribeiro de Aguiar, participou da caminhada e destaca a importância do evento.

“ Esse evento foi para combater a exploração sexual contra crianças e adolescentes. Temos que ter cuidado: não sair de casa sozinhos, porque a violência hoje, tá muito grande! Temos que ter cuidado sempre.” Concluiu a estudante.
“ O Governo Belezinha vem apoiando muito essa causa. E o resultado tem sido o crescimento da campanha. Estão de parabéns todos os envolvidos neste trabalho, pois os maiores beneficiados são nossas crianças e adolescentes”, disse o secretário de assistência social, Francisco Paiva, que foi representando a prefeita Ducilene Belezinha. 
Esse tipo de violência deixa marcas e precisa ser combatido por todos. O dia nacional de enfrentamento ao abuso e exploração é celebrado no dia 18 de maio, mas a caminhada com cartazes, faixas e panfletagem aconteceu no dia 16 em todo o país. Aqui em Chapadinha a marcha passou pelo centro da cidade e terminou na Praça do Povo. O tema desse ano foi Esquecer é permitir, lembrar é combater.
“Essa marcha é um encerramento e ao mesmo tempo um começo. Vamos convocar todos os nossos parceiros para, pelo menos, uma vez por mês, realizarmos palestras junto aos pais para orientá-los como educar seus filhos para evitar o caminho das drogas e da prostituição”, disse o presidente do CMDCA, Men de Sá Meneses. 
Durante uma semana, a prefeitura de Chapadinha, através das secretarias de educação, assistência social, de saúde, da mulher e em parceria com conselho municipal da criança e do adolescente, realizou palestras educativas e informativas nas escolas cidade. Denunciar é o primeiro passo no combate à esse tipo de crime. Procure o conselho tutelar mais próximo de sua casa ou uma delegacia. O estudante Diego dos Santos da Conceição de 14 anos, após assistir às palestras na escola Amélia Mendes Ferreira, entendeu a gravidade do crime e reforça a importância da denúncia.
“Podemos evitar esse crime fazendo denúncia. Procurando o Conselho Tutelar mais próximo de nossa escola. A polícia também pode ajudar. Meus colegas fiquem espertos! Evitem a violência sexual, porque esse crime é muito perigoso. Temos que evitar, temos que nos proteger!”, disse o estudante. 
A violação sexual pode ocorrer de duas maneiras: através do abuso ou da exploração e consiste no envolvimento, à força, da criança ou adolescente em atividades sexuais impróprias à sua idade cronológica, ou ao seu desenvolvimento físico, psicológico e social. A vítima apresenta alguns possíveis sinais comportamentais, e é importante que o adulto observe esses detalhes:- Distúrbios de sono e de apetite;- Ansiedade;- Agressividade;- Baixa autoestima;- Depressão;- Isolamento social;- Dificuldade de aprendizado e concentração;- Comportamento sexual inapropriado para a idade;- Medo de adultos ou medos constantes;- Dor ou inchaço na área genital ou anal;A estudante Samara Araújo Oliveira de 14 anos, da escola Agostinho Ribeiro de Aguiar, participou da caminhada e destaca a importância do evento. 
“ Esse evento foi para combater a exploração sexual contra crianças e adolescentes. Temos que ter cuidado: não sair de casa sozinhos, porque a violência hoje, tá muito grande! Temos que ter cuidado sempre.” Concluiu a estudante.
ASCOM/PMC
Fotografia: Kim Pereira 
SHARE

Author: verified_user

0 comentários:

Outros Blogs

Postagens mais visitadas

Arquivo do blog